Don't mess with the Peaky Blinders!


Quem não sabe o que são Peaky Blinders, não imagina o que anda a perder. Descubram aqui!

Ó filho...

... não sabemos que nome te havemos de dar. Tu já viste isto? Ainda não nasceste e já começam as diferenças entre ti e o mano. Para o teu mano demorámos uma hora a escolher o nome. O nome completo, vê lá! E para ti ainda nem temos o primeiro.

A mãe quer João. O mano quer João. Os avós todos querem João e tu provavelmente vais mesmo chamar-te João. Mas o pai, que é João, está na dúvida. Claro que gosto do nome, mas não me agrada especialmente este til e as chatices que te pode trazer em cartões de embarque internacionais quando fores passear. É que em inglês, e bem, não há cá esta chatice dos acentos. Não me agrada a ideia de estares a configurar os teus primeiros endereços de mail e não poderes utilizar os nomes mais óbvios porque já são os meus. Sei, hoje em dia já quase não há endereços disponíveis, mas detesto ter sido precisamente eu a utilizar o mail que pretendias.

Depois há os contactos em grupo. Estamos numa era de e-mails em grupo e grupos de whatsapp, a tua era será outra, mas calculo que os problemas sejam os mesmos: quando um João Pedreira falar para o grupo ninguém vai saber muito bem se é o pai ou o filho. Ou aquele tio-avô que também já era João Pedreira. E nesta dúvida perde-se o impacto inicial do que disseste e a importância das tuas palavras. Isto aborrece-me.

Chateia-me ainda quando chega correio para João Pedreira não se saber para qual. Ou a tua mãe chamar e ficarmos sem saber se é por mim ou por ti. Por fim, sei que se fores João vais obviamente ficar Joaozinho. E ninguém quer ser Joaozinho ou Pedrinho ou Luisinho.

Sim, ainda não nasceste e já estás a gerar mais confusão que o teu mano. Independentemente do nome com que ficares quero pelo menos que saibas, um dia se/quando vieres aqui ler isto, que o teu pai perdeu alguns dos poucos cabelos que ainda tinha nesta questão tão importante para ti...

O Alfaiate - Nazaré

Conheço a Nazaré como poucos. Por motivos profissionais já lá passei tanto tempo que conheço praticamente todos os hotéis e restaurantes, o que faz de mim uma espécie de entidade turística importante para aquela zona do país.

Há muitos restaurantes bons na Nazaré, claro. Também há imensos fracos. Quase todos partilham uma característica: o preço acima da média nacional, normal numa zona do país que vive essencialmente do turismo e que tem no peixe fresco a sua maior bandeira.

Podia destacar 3 ou 4 restaurantes de qualidade, penso que em tempos até já o fiz com a Tosca, que tem um atendimento fabuloso e qualidade de produtos sempre garantida. Ou o mais típico Vicente, que tem (na Nazaré, imagine-se!!) O melhor bife do lombo de que há memória e um arroz de safio de comer e chorar por mais.

Mas hoje tenho que destacar o Alfaiate. Já o visitei uma mão-cheia de vezes e sou sempre surpreendido. Pela qualidade das refeições, pela variedade e originalidade dos pratos, pela competência, pela decoração... não há como não gostar deste restaurante. E em boa verdade, não é dos mais caros: ao almoço o prato do dia ficará entre 12,5€-15€ por pessoa, mas estamos a falar de pratos do dia com este aspeto:


Não, não é um restaurante típico da Nazaré nem o local ideal para provar o tal peixe fresquinho. Mas é um restaurante de nível superior que apaixona qualquer um à primeira visita.

The Leftovers

Não é novidade para ninguém que as séries são um dos meus hobbies favoritos. Não dispenso o acompanhamento de 3, 4 séries em simultâneo. Como o faço? Não é fácil, mas é tudo uma questão de organização. Claro que quando vier o próximo rebento sei que vou ter que abrandar durante uns meses, tal como aconteceu com o anterior.

Estou constantemente a descobrir séries novas, a acabar outras, a desistir de outras, o processo é contínuo e por norma umas vêm preencher o espaço que a anterior deixou vazio.

O problema é que por vezes a série foi tão incrível que não é fácil preencher esse espaço. Porque não é fácil encontrar outra que esteja à altura, ou porque aquela série nos tocou de uma forma especial.

Aconteceu-me poucas vezes: quando acabei Sete Palmos de Terra, Breaking Bad e agora The Leftovers.



The Leftovers, sente-se logo desde o início, é especial. São 28 episódios divididos por 3 temporadas e tem um tema no mínimo estranho: um fenómeno inexplicável que faz desaparecer, de forma aleatória, 2% da população mundial.

Desengane-se quem pensa que é uma série sobre o oculto, de fantasia ou ficção. O tema serve apenas de mote para o verdadeiro objetivo do exercício: tentar perceber como lidaria cada um deles, dos que ficaram, com um fenómeno que não se entende e a forma que cada um encontra para justificar ou ultrapassar a situação.

The Leftovers é fantástico na abordagem, na construção das personagens e na criação dos laços entre estas e o público. É tudo aquilo que Perdidos prometia e nunca conseguiu ser. É uma das séries mais incríveis que já vi. Em Portugal só passou no TV Séries, talvez um dia possamos ver num dos canais "normais"...

P.S.1: Melhor banda sonora de todo o sempre de todas as séries que este Mundo já viu nascer!

P.S.2: É a pior série para se ver quando se está a deixar de fumar...

Dois rapazes

Não posso deixar de notar em várias pessoas um ligeiro desalento quando souberam que vamos ter outro rapaz. Há uma espécie de lógica social instalada que diz que depois do menino tem que vir a menina para ser um casal, ou vice-versa. O importante é "o casal".

Primeiro, isto do casal quando estamos a falar de irmãos é um bocado sinistro. Já alguém pensou nisto?

Depois, há outro pormenor: antes do Vasco só nos imaginávamos pais de meninas. Foi uma verdadeira surpresa... e foi a melhor surpresa possível. Neste assunto não há falsas modéstias: o Vasco tem sido tão fácil de educar, tem um feitio tão bom e ter este rapaz tem sido tão simples que só se fôssemos doidos é que íamos agora torcer por uma menina!

Um outro detalhe de que as pessoas se tendem a esquecer: temos a Ana na família desde os primeiros meses, por isso a experiência da menina não é totalmente desconhecida para nós.

Tudo isto para dizer que estamos mesmo muito felizes pelo menino que está a caminho. Quanto ao Vasco, nunca pôs sequer a hipótese da menina. "É um mano que vem aí"... E acertou...!

E se de repente...

...eu voltasse a escrever?

É que isto agora está muito evoluído (ou então, como de costume, descobri muito mais tarde que toda a gente). Com a app do blogger já posso escrever no telemóvel em qualquer lugar e de forma mais prática, uma grande vantagem nos dias que correm.

E a verdade é que às vezes tenho vontade de escrever e não tenho onde o fazer.

O blog começou em 2008, há quase 10 anos. Hoje sou uma pessoa diferente da que era na altura e a principal diferença em termos de escrita é talvez esta vontade de escrever por mim, para mim, não tanto com o objetivo de agradar ou mostrar aos outros. Talvez um dia até torne o blog privado, porque não?

Quando o Vasco nasceu pensei que era o melhor motivo para reacender o espírito do blog. Nada mais errado, claro. Nunca quis perder nada, nenhum momento, tenho sido egoísta ao ponto de não partilhar nada com ninguém. Agora, a poucos meses de um novo filho, é provável que isto volte a acontecer, e portanto não posso prometer que este espaço venha a ter durante muito tempo a dinâmica que teve.

Portanto, sem qualquer compromisso e só mesmo porque tenho saudades, a partir de hoje volto a escrever. Não sei quanto, nem durante quanto tempo. E se alguém (re)aparecer por aí... obrigado. Também tenho saudades vossas!

O pequeno fenómeno e o histórico infeliz

Mesmo quem não percebe muito de futebol já percebeu que algo de estranho se passa na Liga Inglesa este ano. O Leicester City está nas bocas do Mundo, pois a quatro jogos do final do campeonato tem 5 pontos de avanço sobre o Tottenham e prepara-se para uma vitória inédita e histórica.


Este Leicester tinha, no início do campeonato, uma probabilidade de 5000 para 1 de ser campeão. Para termos noção do que isto significa, note-se que a probabilidade de se confirmar a vida noutros planetas em 2017 é de 100 para 1.

Será um "case study" durante muitos anos, parece-me. Significa muito para o futebol uma vitória destas, à base do trabalho de equipa, do esforço, da dedicação, e tudo isto é algo a que os amantes do futebol não podem ficar indiferentes.

Em boa verdade, neste momento praticamente todo o Mundo pretende ver o Leicester campeão. Todos... menos os agentes das casas de apostas e os adeptos do Tottenham, claro!

Para mim é um sentimento misto. É demasiado grande o feito deste pequeno Leicester, e realmente merece ser feliz no final da época. Infelizmente, sou há vários anos adepto do Tottenham e tenho mesmo pena que isto vá acontecer no melhor ano da história da equipa de Londres desde 60/61, a última vez em que foram campeões. Este ano, que foram (finalmente!) superiores aos Manchesters, ao Arsenal, ao Chelsea, ao Liverpool... aparece do nada um pequeno Leicester ainda melhor. Nem parece justo!

Mas é por isto que amamos o futebol...

Amy

Um documentário de cortar a respiração, pelo incrível talento natural de Amy Winehouse mas também pela constatação de um facto: Esta, de tão frágil, era uma alma perdida a partir do momento em que o Mundo a conheceu.

Uma história que, mesmo repetida vezes sem conta com vítimas diferentes, é sempre actual.

Fascinante, brutal, real, intenso. Obrigatório!

Escape Challenge - O desafio!

A ideia é simples: Um grupo de amigos aprisionado numa sala com o objectivo de conseguir decifrar vários enigmas e sair da sala dentro do tempo limite de uma hora.

É um conceito sobejamente conhecido no mundo virtual, há vários jogos online e aplicações que replicam situações deste género. No entanto é de saudar que em pleno século XXI surjam projetos destes que desafiam o paradigma dos jogos solitários online, estimulando o trabalho de grupo e o espírito de equipa numa experiência realista e verdadeiramente divertida para todos os participantes!

E é difícil nos tempos que correm encontrar uma atividade que seja tão abrangente - Escape Challenge é daqueles jogos que agradam a todos e que dão realmente vontade de voltar, de experimentar salas novas, desafios diferentes!

A equipa da organização é impecável, com uma boa disposição à prova de bala, sabendo também contribuir na medida certa para a criação do ambiente tenso necessário para que esta seja uma aventura inesquecível.

Não há dúvidas: Escape Challenge foi uma das melhores ideias dos últimos tempos, é recomendável a todos e é garantidamente uma hora diferente e muito bem passada!

P.S.- A nossa super-equipa conseguiu a fuga em 51 minutos!! Alguém consegue melhor...?

Escape Challenge
http://www.escapechallenge.net/
Rua de Santa Catarina, 218
3º Andar

Porto