Muito grande

Mais uma demonstração de como eu aprecio a frontalidade e a simplicidade da malta que coloca folhas A4 em sítios estratégicos...

Imagens amavelmente enviadas por Daeron Ringeril, a inaugurar este separador e a demonstrar que compreende a fundo alguns dos objectivos deste blog!

Os Invictos - Estrela... (d)e Campeão!

Campeões!!!, gritaram os Montalegrenses aquando do apito final do árbitro do Régua-Montalegre aos 94 minutos, dois minutos depois do golo (mais uma vez em cima da hora) de João Pedro que nos deu o empate necessário. De novo à beira de ser afastado da competição dos invictos, o Montalegre acabou por conseguir marcar e escreveu no campo do principal adversário mais uma bela página do seu historial. Espera-nos a III Divisão Nacional 2009/2010...


A estrela que nos acompanhou nos últimos jogos também tem estado com... o Estrela de Vendas Novas, que voltou a vencer fora de portas. No entanto, daqui a duas jornadas visita o segundo classificado (U. Montemor) que lhe morde os calcanhares desde o início da época! Desconfio que se o Montalegre não desacelerar como já vimos outros fazer após a conquista do título, será a única equipa invicta em Portugal daqui a duas jornadas. Veremos...

A vaidade da Senhora Maçã


Ponto prévio: A maçã irrita-me profundamente. Não se trata de gostar ou não do sabor, os meus problemas com a maçã vão bem mais longe do que isso...

Quantas vezes nos acontece pedir uvas, morangos, melão, cerejas num restaurante e recebermos a resposta típica: "Não temos. Sabe, não é o tempo delas..."?

Com a maçã nunca acontece isto. É sempre tempo da maçã. Qual é o tempo das cerejas? É o Verão. E o das maçãs? É todo. A chamada fruta da época (adoro o termo) nos restaurantes varia. Umas vezes há pêssegos, ananazes e maçãs, outras há laranjas, pêras e maçãs, por vezes há bananas e maçãs... A maçãzita tem que haver sempre, não é?

Mais uma prova de que a maçã é o fruto mais pretensioso que existe: Faz bem a tudo. É aos dentes, é ao estômago, é à circulação... Nem sequer dá nos intestinos como a maior parte das frutas! Uma laranja faz bem, três laranjas já dá mau resultado. Mas maçãs... podemos comer umas vinte que nos faz vinte vezes bem! É um espectáculo...

E por fim há o problema da salada de frutas, claro... todos os frutos ficam bem na salada de frutas - todos eles amolecem com o sumo e favorecem o sabor da salada. Menos quem? A Senhora Maçã, pois claro! Como se não bastasse não contribuir com quase nenhum sumo para a salada, mantém-se rija como que a querer mostrar que é mais do que as outras... Ainda ninguém percebeu que a salada de frutas no seu todo só tem a ganhar com a ausência da maçã??? O conjunto fica muito mais harmonioso sem frutas com a mania que são rijas e que resistem a todas as épocas do ano...

Pérola da minha infância

Com 5 ou 6 anos, entro numa pastelaria e peço, com extrema educação:

"Quero um copo de água, se não for muito incomódo..."

"Joaozinho, o acento é no outro O!"

"INCOMODÓ???"

Papa amigo

Habituado a ser presenteado com cânticos religiosos, tenho a certeza de que o Papa Bento XVI terá ficado no mínimo satisfeito com a originalidade dos cânticos entoados à sua chegada a Angola...:
"Papa! Amigo! Angola está contigo!"

Os gémeos mais cómicos do Mundo

video

Os Invictos? São apenas dois!!!

Jornada de grandes novidades para a classificação d'Os Invictos. Das quatro equipas restantes, apenas o Estrela de Vendas Novas tinha um jogo teoricamente fácil, em casa com o oitavo classificado. Venceu naturalmente e goleou por 5-0.

O União de Coimbra, já campeão, foi jogar ao terreno do segundo classificado, o Nogueirense, e ao vigésimo terceiro jogo perdeu finalmente, por 1-0.

Também o Esp. Lagos foi finalmente derrotando e também pelo segundo classificado (O Ferreiras), mas sai sem glória desta pequena liga, vergado ao peso de uma goleada por 4-0!

O Estrela de Vendas Novas esteve mesmo a um minuto de vencer a competição dos Invictos! Isto porque o Montalegre beneficiou de uma grande penalidade (justíssima) no último minuto da partida de recepção ao Alijoense, terceiro classificado, e empatou a partida a dois golos. Um jogo muito complicado, na primeira parte pela qualidade da equipa de Alijó e na segunda parte mais pelas atitudes do árbitro da partida, que permitiu muito anti-jogo, enervou os jogadores, estragou o espectáculo e acabou por expulsar injustamente Ricardo Freitas num lance a meio-campo que não justificava mais que o cartão amarelo. Fidalgo e João Pedro (g.p.) marcaram os golos de um Montalegre a quem basta um empate no terreno do Régua na próxima semana para festejar o título de campeão!

Resta saber quanto tempo vai durar o braço-de-ferro entre transmontanos e alentejanos! Aceitam-se apostas...

Em mau português

Nem sei o que dizer... como é que isto é possível???


1000 visitas

Coloquei o contador no blog há 14 dias. Hoje chegámos às 1000 visitas, o que dá uma média de cerca de 71 visitas por dia. É certo que as estatísticas valem o que valem, e que o contador não controla IPs (ou seja, se eu entrar 10 vezes no blog no meu computador conta 10 visitas), mas também é verdade que eu só vou ao blog 3 ou 4 vezes por dia.
Como não acredito que haja alguém que passe a vida a entrar em "Corda aos Sapatos", posso concluir que tenho entre 40 a 50 leitores diários, isto já com alguma margem de erro para quem passe cá duas ou três vezes por dia.

50...É muito bom!!! Obrigado...

35 visitas

O meu hi5 não era visitado por ninguém há cerca de 3 meses. Bem sei que para isso também contribui o facto de eu não me dedicar nada a essa página ultimamente e de ter tido durante meses a fio a mesma informação por lá.

Desde que que mudei o meu nick para "Bundinha" e coloquei lá esta foto, há precisamente uma semana, já tive 35 visitas, quase todas masculinas.

Isto para comprovar que, como diz o meu primo Pedro, o hi5 funciona mais como "mercado da carne" do que como rede de amigos...

O Frango

Pelos vistos há mais semelhanças entre o actual guarda-redes da selecção portuguesa e o Ricardo, para além da terminação do nome e das óbvias parecenças físicas. Não podemos dizer que estejamos em boas mãos...

The Office

Hoje dedico-me à árdua tarefa de explicar porque é que The Office (versão americana) é a melhor série da actualidade. Árdua porque os gostos são sempre relativos e principalmente porque há muito quem prefira a versão original da série, a versão inglesa.

Vi a versão inglesa completa e gostei muito - a verdade é que comecei a ver a versão americana porque a inglesa foi tão curta que me deixou com água na boca e a americana já ia na terceira série quando comecei a acompanhar. E a primeira temporada é, efectivamente, uma desilusão, pois é uma cópia mal amanhada da versão original e não convence ninguém. Steve Carrell tenta ser o patrão irritante, convencido, arrogante que Ricky Gervais tão bem criou e não se sai bem, vê-se que é um papel forçado, copiado. Os seis episódios da primeira série seguem este rumo de imitação barata.

Tudo muda quando The Office (versão EUA) avança para novas séries e ganha uma identidade própria. Steve Carrell liberta-se e cria o seu próprio Michaell Scott, um patrão completamente diferente do detestável congénere inglês. Um patrão mais emotivo, mais divertido, mas ao mesmo tempo mais sofrido, mais infeliz, mais humano! É como dizia alguém na net há dias, que Ricky Gervais despoletava raiva e indignação enquanto que de Steve Carrell chegamos a sentir pena...

Outra grande vitória desta série é o desenvolvimento das personagens, com especial destaque para o louco Rainn Wilson (Dwight) e para John Krasinski (Jim) e Jenna Fisher (Pam) que se revelam excelentes (as partidas que o Jim prega ao Dwight estão para além do indescritível). O estilo câmara ao ombro pode provocar algumas tonturas ao início, mas habituamo-nos rapidamente a ser voyeurs do dia-a-dia daquele simples escritório. A série vai na quinta temporada e respira saúde!

Sei que estamos a falar de um tipo de humor que não agrada a todos e que a minha tentativa de convencer as pessoas vai ser bastante infrutífera. Mas pelas gargalhadas profundas que só esta série me consegue arrancar, pela boa disposição com que fico sempre que vejo ou revejo um episódio, The Office merecia este artigo....

Ao acordar...

Eu compreendo a génese dos pogramas da manhã, e sei que têm a sua utilidade. Mas acordar, ligar a TV e apanhar com a MariaJosé Valério toda vestida de verde fluorescente com um cabelo também verde fluorescente e a berrar uma musiquinha popular assusta qualquer um...

Os (mesmos) Invictos

Mais uma grande vitória do Montalegre, desta feita em Boticas por 3-0. Estamos a um pequeno passo da subida de divisão!

O Esp. Lagos contrariou as minhas expectativas e foi vencer ao terreno do Lusitano VRSA por 4-2, ultrapassando o União de Coimbra na tabela pois não se jogou na AF Coimbra. Também na AF Évora não se efectuaram jogos este fim-de-semana.

A classificação está agora ordenada da seguinte forma:

Sexta-Feira 13

A Sexta-Feira 13 é um evento em crescendo na vila de Montalegre. As celebrações estão cada vez melhores, com um investimento cada vez maior, e os resultados estão à vista. Impressionante a multidão que se juntou ontem à noite para assistir à dança das bruxas, para fazer parte do desfile da bruxaria por cima de um pano preso por elásticos às paredes da Rua Direita, para ver as decorações do Pelourinho e para assistir por fim à queima das bruxas no Castelo com fogo-de-artifícío. Também não faltou a tradicional queimada após esconjuro do Padre Fontes.

O novo grupo responsável pela animação esteve em grande nível, com bruxos, mortos-vivos, demónios, danças e ilusões e até cobras (sim, verdadeiras e vivas...)!

Uma festa que se vai tornando numa tradição sólida em Montalegre e que promete cada vez mais! A próxima? Sexta-feira, 13 de Novembro...




( É nestas alturas que eu tenho pena de não ter um telemóvel melhorzinho...)


As manhãs da Comercial

Ultimamente não é o caso pois estou fechado em casa há 15 dias (que stress!), mas o meu emprego permite-me ouvir muita rádio, principalmente de manhã e ao final da tarde. Ora já se impunha fazer aqui a minha sincera homenagem à malta das manhãs da Rádio Comercial e nada melhor que fazê-lo agora, já que a Rádio completou ontem 30 anos de existência.

Toda a gente sabe que a Rádio Comercial faz jus ao nome no que respeita ao tipo de música que passa e que nesse aspecto a concorrência, principalmente da Antena 3, é fortíssima pois aí a variedade de música é maior e dá-nos a conhecer novos sons quase diariamente. Mas não se pode comparar. A Comercial tem vários compromissos...comerciais e por isso às vezes temos que gramar publicidade e as músicas de top algumas vezes ao dia.

A verdade é que no final da tarde e à noite prefiro mesmo a Antena 3 e em tempos também era a minha escolha para as manhãs. Que tempos? Aqueles em que estava lá o Pedro Ribeiro, a Maria e o Markl, claro. Agora, de manhã, só mudo para a Antena 3 para ouvir os 5 minutos do Markl...

É que o trio da Comercial tem outra genica. Pedro Ribeiro, Vanda Miranda e Vasco Palmeirim são divertidos, originais e, principalmente... genuínos. A gente acredita mesmo que eles gostam do que estão a fazer e que são espontâneos nas rubricas, nos comentários, nas "bocas". Nas manhãs da RFM, por exemplo, nota-se mesmo aqueles diálogos estudados, os risos forçados, é tudo falso! Aqui não. Eu acredito que esta malta é assim. Mesmo. E depois há a cereja no topo do bolo que são os Caixilhos e Laminados (Marco Horácio e Eduardo Madeira), principalmente na rubrica "Tertúlia Azul-Bebé"...

Se o objectivo de um programa da manhã na rádio é animar o ouvinte e contrariar a natural má disposição de acordar para trabalhar... o da Rádio Comercial é o melhor programa da rádio portuguesa! Um grande bem-haja a todos os que tornam as minhas manhãs bem mais divertidas! Não acreditam / não conhecem? Tirem as dúvidas aqui...

O problema das tostas mistas

Passa-se algo muito estranho com as tostas mistas. Para mim, uma tosta mista é pão tostado (tosta) com queijo e fiambre lá dentro (mista). Simples. Na realidade, na verdadeira acepção da palavra mista, uma tosta mista poderia ser pão tostado com alface e milho, ou pão tostado com tomate e ovo. Seria na mesma tosta mista. Mas nem sequer vou por aí.

Acontece que numa pastelaria (ou café, bar, ...) se pedirmos uma sandes mista trazem quase sempre um pão normal com queijo e fiambre. No entanto, se pedirmos tosta mista trazem pão de forma tostado com queijo e fiambre. Porquê? Não faço ideia.
Ora, eu não gosto de pão de forma. Mas gosto muito de tostas mistas. Portanto, quando peço, peço sempre "uma tosta mista em pão normal" porque já sei que se não pedir assim levo com o pão de forma. Invariavelmente, a conversa toma este rumo:

"Pão normal? Ah, sandes mista!"
"Não, tosta mista, bem tostada, mas num pão que não seja de forma."
"Então quer um pão misto."

Um pão misto??? O que é isto do pão misto? Falta-lhe a importante palavra "tosta", mas eles sabem que é para aquecer ...

Resumindo e concluindo:

Tosta Mista: Pão de forma tostado com queijo e fiambre.
Sandes Mista: Pão normal frio com queijo e fiambre.
Pão Misto: Pão normal tostado com queijo e fiambre.

Isto faz algum sentido???

Os Invictos - Ou será "Os Imparáveis"???

Ninguém cede neste braço-de-ferro final. Os quatro invictos venceram mais uma vez os compromissos e continuam na luta.


Uma previsão: O União de Coimbra será o primeiro a perder. Ontem goleou em casa o segundo classificado (4-1) e já é campeão da AF Coimbra. Assim, será natural alguma desaceleração, pois a motivação já não é a mesma e podem ser surpreendidos já na próxima jornada, no terreno do terceiro classificado. No entanto também o Esp. Lagos tem um jogo complicado no campo do Lus. VRSA. Ou muito me engano ou teremos novidades na próxima actualização d'Os Invictos...

Próxima jornada (22/03):
Boticas(12º) - Montalegre
AD Nogueirense (3º) - U. Coimbra
Lus. VRSA (3º) - Esp. Lagos
Estrela Vendas Novas - Arcoense (8º)

Obras de arte...

...típicas de quem tem demasiado tempo em mãos:

(já ando a inventar coisas para fazer e ainda só passou uma semana. Ainda faltam quatro.)

A Deolinda

Cada vez que oiço Canção ao Lado, o álbum de estreia da Deolinda, fico um pouco mais orgulhoso por ser português. Estamos habituados a ouvir um ou outro single deles nas rádios portuguesas, e parece haver um certo consenso em relação a este novo estilo musical. No entanto, quando se ouve o álbum no seu todo, o quadro fica completo pois as músicas fazem mais sentido encaixadas umas nas outras.

Os elementos da Deolinda negam as influências do fado, mas na verdade o que acontece aqui é um reinventar, um modernizar do fado. É o fado progressivo! A voz de Ana Bacalhau é inesquecível e imagem de marca, mas aos poucos vamo-nos apercebendo que a formação e qualidade musical de todos os elementos da banda é excepcional!

Já disco de platina, Canção ao Lado é um álbum a não perder.

Taberna A Badalhoca - Porto


Sandes de presunto? É na Badalhoca, claro! Quem conhece bem as tascas e tabernas portuenses sabe que a Taberna da Badalhoca é paragem obrigatória.

A sandes de presunto é realmente especial, mas a taberna oferece-nos muito mais: Sandes de ovo, de rojões, de carne assada, mistas, de panados, de rissóis... praticamente de tudo o que se pode enfiar num pão. E com uma qualidade à prova de qualquer suspeita! Para acompanhar, um vinho Espadal da casa, bem fresco e com um tom rosa-avermelhado.

O mais interessante é que toda a gente vai lá parar. Desde o gestor ao pintor, do trolha ao médico, a fila na Badalhoca é um hino à diversidade! Aqui há pouquíssimas mesas e cadeiras, mas ninguém se incomoda com isso. Come-se de pé, nos balcões das paredes do estabelecimento. É comida rápida, prática, boa e barata. Não é para todos os dias, mas de vez em quando sabe mesmo bem uma visitinha!

Um pequeno conselho: Pensem bem no que querem antes de pedir, pois aqui não há tempo para dúvidas e indecisões – há cerca de 30 segundos para atender cada cliente, por isso decidam rápido e antecipadamente...

Qualidade dos Pratos: 17
Qualidade do Serviço: 14
Tempos de Espera: 16
Preço: 18

CLASSIFICAÇÃO FINAL: 16

Taberna A Badalhoca
Rua Dr. Alberto Macedo 437 - Porto
4100-031 Porto

O tal Nuno Cabral de Montalegre...


...não existe. Uma breve consulta à lista telefónica do concelho confirma isso mesmo. Mais, nos concelhos de Boticas e Ribeira de Pena também não há famílias Cabral, e em Chaves há apenas um Carlos, uma Ana e uma Emília.

O folclore é uma realidade em Trás-os-Montes, e Montalegre não foge à regra. Mas esta está longe de ser uma das maiores tradições do concelho. Se me viessem falar das Feiras do Fumeiro e do Gado, do Congresso de Medicina Popular, das Chegas de Bois ou do Jogo da Choca ainda vá...
A mim dá-me a impressão que isto foi ideia de alguém do Minho por provocação. Esses sim, têm tradição vincada de folclore e quem conhece os transmontanos sabe que eles não apreciam muito ser conotados com tradições dos vizinhos minhotos...

Sabe sempre bem ouvir falar de Montalegre, principalmente na publicidade que mais vezes passa nas televisões portuguesas (e acreditem que nos últimos dias tenho tido oportunidade de confirmar isso), mas não podiam ter escolhido melhor o tema?

Mas gosto da publicidade em si. Ao mostrar uma das excentricidades que se poderiam cometer com milhões de euros, deixa a ideia corrosiva de que o jornalismo pode sempre ser comprado...

The Wrestler

Mickey Rourke era um dos mais promissores jovens actores nos anos 80, depois da sua participação em filmes como O Ano do Dragão ou Nove Semanas e Meia. No entanto a sua carreira (tal como a sua vida pessoal) sofreu um período obscuro de vários anos que o levaram a um quase total esquecimento do grande público. O actor chegou mesmo a rejeitar papéis que poderiam ter dado um rumo bem diferente à sua carreira, como os de John Travolta e Bruce Willis em Pulp Fiction, o de Kevin Costner em Os Intocáveis ou outros em Platoon e Silêncio dos Inocentes.

O realizador Darren Aronofski decidiu resgatá-lo para este The Wrestler, que retrata a vida de um veterano lutador de wrestling com várias feridas físicas e psicológicas e um coração que nunca soube amar e que começa a fraquejar depois dos maus-tratos de uma vida mal vivida.

Talvez devido às semelhanças entre a personagem e a sua própria vida, Rourke cria aqui um Randy "The Ram" Robinson impressionante, complexo, mítico. O trabalho do actor é excelente e este é um filme que nos toca bem lá no fundo quando acompanhamos (literalmente, pois muitas vezes a própria câmara anda atrás dos longos cabelos loiros de Randy) as tentativas deste ser humano de corrigir os erros do passado e tentar encontrar um futuro fora de um ringue que foi desde sempre o seu mundo.

The Wrestler é imperdível e marca-nos profundamente. Venceu o prémio de melhor filme no Festival de Veneza e é, efectivamente, um dos melhores do ano. Apesar do trabalho memorável de Sean Penn em Milk, se houvesse justiça o Oscar de melhor Actor deveria ter sido entregue a Mickey Rourke. Ele merecia, mas não só ele. The Wrestler merecia um pouco mais...

Classificação: 18

Temporal

Está a nevar e está um temporal medonho lá fora.

O que é que eu tenho a ver com o assunto? Nada...

E o Carnaval?

Pois é. Já me esquecia! Cá fica uma das imagens da noite na festa da empresa. E que noite! Pena não ter podido ficar até ao fim...

(e não, a freira sexy não era eu!!!)

Doubt / The Reader

Primeira grande notícia: Doubt não foi traduzido para “Dúvidas perigosas” nem The Reader para “Leituras indecentes”, por exemplo. Bravo, mestres portugueses das traduções!!!

Doubt é um hino à representação, acima de tudo o resto. Teve 4 nomeações para óscares de actores, todas amplamente merecidas. Meryl Streep e Seymour Hoffmann são muito grandes e têm uma química especial em cada plano que os junta. Viola Davis, praticamente estreante, é de cortar a respiração nos poucos minutos de filme que lhe cabem. Amy Adams completa um leque extraordinário de actores que interpreta uma história sempre actual, sobre perguntas que nunca são respondidas e dúvidas que ficam. Sempre. Um filme muito, muito interessante.

Classificação: 17


The Reader é valente. É uma história em crescendo, que começa praticamente a partir do nada, para nos surpreender aos poucos até um dos maiores finais do ano. Estou rendido à interpretação de Kate Winslet (basicamente, ela convence-me sempre e cada vez mais – que oscar tão merecido!) e à realização de Stephen Daldry, um mestre nos quadros que pinta, na temporização das cenas, nos grandes e pequenos planos, na dimensão humana das personagens. Depois de já nos ter presenteado com The Hours e Billy Elliot, Daldry confirma que é um dos novos grandes talentos de realização de Hollywood. The Reader não deixa dúvidas. É um dos maiores filmes do ano e é daqueles que ficam por muito, muito tempo...

Classificação: 19

Pauzinhos chineses

Quem acha que a verdadeira utilidade dos pauzinhos chineses é levar comida à boca, nunca experimentou a comichão provocada por aquele algodão que separa o gesso da perna...

Ah, benditos pauzinhos...!

Mas dizem que uma agulha de tricot é melhor ainda. Hoje mesmo vou experimentar. É impressionante o nível de interesse dos meus dias...

A Actriz

Como é que no festival de karaoke que é o Mamma Mia a fabulosa Meryl Streep nos consegue dar um momento assim???

video


Para mim, um dos momentos mais arrepiantes do ano num filme. Tudo por causa dela. Só não chora quem não tem coração...

E quanto aos Invictos...

...tudo na mesma. Todos venceram, sendo a vitória do Montalegre no terreno do Pedras Salgadas extremamente valiosa. Se havia jogo que eu achava que podíamos perder, era este. Agora acredito mesmo que podemos chegar ao fim sem derrotas...

Diário de um inútil

O meu mundo está reduzido a um sofá. Fabuloso. Já tive uma perna engessada há muitos anos por causa de uma entorse (nunca tinha partido nada), mas não me lembrava do quão inútil nos sentimos e da falta que um membro faz.

O banho é indescritível, as posições de dormir estão reduzidas a duas ou três no máximo, algo simples como apanhar o comando da TV do chão revela-se uma tarefa hercúlea... realmente, quem diz que isto são férias forçadas está a adulterar bastante o termo férias.

A noite passada, às cinco da manhã, perdi a noção de tudo por causa do sono e tentei virar-me com toda a força na cama em busca de uma nova posição. Não sei como é que ainda estou vivo.

E este é apenas o terceiro dia. De amanhã a um mês tiro o gesso da perna! É ridículo começar já com a contagem decrescente, não é?

Verdades e mentiras

Cá estão as soluções...

1 - Já fui empurrado por um filho do Tim Burton.
VERDADE. Em Covent Garden, Londres, um miúdo empurrou-me para ver melhor o espectáculo de rua e foi imediatamente puxado pela mãe, a fabulosa Helena Bonham Carter. Fiquei perplexo...

2 - Conheço oito países europeus - Portugal, Espanha, França, Itália, Holanda, Bélgica, Inglaterra e Irlanda.
MENTIRA. Sim, Mariana, a Bélgica está a mais! Apesar de ter ido ao Euro Holanda/Bélgica, os três jogos que vi foram todos em território holandês...

3 - Já simulei uma entorse para evitar participar na pancadaria de um jogo de futsal em que participava.
VERDADE. Claro que sim, Francisco. Mas acho que se justifica quando na escola do Restelo todos os jogadores (excepto eu) das duas equipas eram malta do Rugby ...

4 - Já dormi com mais cinco pessoas na mesma cama.
VERDADE. Obviamente. Como diz o Gustavo, vida de estudante é assim mesmo... E sim, foi mesmo só dormir!

5 - Para cumprir uma promessa, andei uma hora de joelhos em Fátima.
MENTIRA. Mas é assim tão óbvio??? Não consigo enganar ninguém com esta...

6 - Já participei numa perseguição de um delinquente.
VERDADE. Em Macedo de Cavaleiros, com um colega, às 3 da manhã, assistimos a um tipo completamente bêbado a pegar no carro e a espalhar-se quase de seguida num outro carro que estava estacionado. Cheios de espírito humanitário, pegámos no nosso Smart e perseguimos o tipo (que tinha abandonado o local) até o encontrarmos. Tinha deixado o carro aberto, estacionado num canto escuro e tinha fugido a pé. Como os documentos dele estavam lá todos, chamámos a polícia e fizemos a queixa... Heróis, claramente!

7 - Arrombei uma casa para levar um telemóvel que estava à vista em cima de um sofá.
VERDADE. Quando fui a Porto Santo passar férias com o JC. Ele morava perto do aeródromo e no último dia saiu antes de mim para as aulas. Eu peguei na mala, fui para o avião (que já estava a trabalhar e tudo) mas... deixei o telemóvel em cima do sofá dele! Voltei a correr e vi pela janela o telemóvel sem ter chave para entrar... Não tive hipótese. Parti o vidro, abri a janela e saí pela porta. Acho que ainda lhe devo esse vidro...

8 - Já bebi um shot de álcool etílico.
MENTIRA. Pelo menos que eu saiba...

9 - Uma vez fui do centro de Braga à Universidade a pé, completamente descalço.
VERDADE. Com a mesma justificação da 4. Vida de estudante, copos, noitada, muito calor às 6 da manhã e deu-nos para aquilo...

OK, pelos comentários que recebi ninguém acertou na chave correcta. Mas gostei mesmo da vossa maneira de pensar...

UMA PERNA PARTIDA???

NÃO ACREDITO.......................!!! Não tenho sorte nenhuma...