O tal Nuno Cabral de Montalegre...


...não existe. Uma breve consulta à lista telefónica do concelho confirma isso mesmo. Mais, nos concelhos de Boticas e Ribeira de Pena também não há famílias Cabral, e em Chaves há apenas um Carlos, uma Ana e uma Emília.

O folclore é uma realidade em Trás-os-Montes, e Montalegre não foge à regra. Mas esta está longe de ser uma das maiores tradições do concelho. Se me viessem falar das Feiras do Fumeiro e do Gado, do Congresso de Medicina Popular, das Chegas de Bois ou do Jogo da Choca ainda vá...
A mim dá-me a impressão que isto foi ideia de alguém do Minho por provocação. Esses sim, têm tradição vincada de folclore e quem conhece os transmontanos sabe que eles não apreciam muito ser conotados com tradições dos vizinhos minhotos...

Sabe sempre bem ouvir falar de Montalegre, principalmente na publicidade que mais vezes passa nas televisões portuguesas (e acreditem que nos últimos dias tenho tido oportunidade de confirmar isso), mas não podiam ter escolhido melhor o tema?

Mas gosto da publicidade em si. Ao mostrar uma das excentricidades que se poderiam cometer com milhões de euros, deixa a ideia corrosiva de que o jornalismo pode sempre ser comprado...

2 comentários:

Mariana disse...

LOL!

Da mesma maneira q tens tempo pa confirmar q o anúncio dá muitas vezes, tens tempo para andar a procurar na lista telefonica esse tipo!

Não existes, pah!

Anyway... não é a melhor publicidade de Montalegre e não é uma coisa muito nossa, de facto. Mas n se pode dizer q o anúncio n esteja engraçado... tb acho q podiam ter escolhido as chegas, mas pronto.

Beijo*

Mariana outra vez disse...

Achas q escolheram esse nome por não existir? Parece-me q sim. LOL.

***