A favor, claro!

O casamento entre pessoas do mesmo sexo é uma realidade em Portugal e a adopção vem a seguir. Sim e sim. Está na altura, de uma vez por todas, de deixarmos de ser um país de terceiro Mundo em matéria de mentalidades.

A conversa de Sábado à noite seguiu este caminho e foi produtiva. Não, não se mudam as mentalidades dos amigos com um copo e dois dedos de conversa, mas um debate moderado é sempre produtivo para todas as partes, seja qual for o assunto...

Para mim é claro como água. Quem aceita a homossexualidade como algo de natural ou, por outras palavras, quem não a considera “uma doença”, deve levar esse ideal até ao fim e aceitar a integração total dos homossexuais, com todos os direitos e deveres que estão implícitos. O casamento gay, mais do que uma vontade, era um objectivo para os gays, um marco na sua luta pela igualdade. Todos sabem que a seguir vem a luta pela adopção e que essa vai gerar ainda mais polémica.

Não vejo porquê. Não vejo nenhuma razão para impedir dois indivíduos que constituem família (casados ou não), que pagam impostos, que têm provas dadas de que estão plenamente integrados na sociedade independentemente da sua orientação sexual de adoptarem uma criança para canalizarem o amor que têm para dar. E não, claro que não acredito que a criança vá crescer com ideais distorcidos e num “ambiente gay”. Se assim fosse não existiriam gays, pois estes nasceram de pai e mãe...

Na minha opinião, acima de tudo, e como acontece em qualquer minoria, são as ovelhas negras que dão cabo de tudo. Neste caso concreto, se eu fosse gay odiava as bichas. Aqueles maricas espampanantes, que fazem barulho por tudo e por nada, que levam a sociedade a colocar tudo no mesmo saco e a pensar que um gay é um indivíduo louco, colorido, desbocado e despudorado. Não, eu nunca entregaria uma criança a um fenómeno destes. Mas prestem atenção! Não é destas pessoas que estamos a falar...

11 comentários:

RRITA disse...

Belo rasgo de sensatez, como não poderia deixar de ser.

Estou plenamente de acordo Pedrinha.

Tolerância. E nem é só isso...
Não há famílias perfeitas. Tantos filhos abandonados, tanta violência, tantos pais ausentes, tantas traições, tantos divorcios, tantas mortes, tantas famílias desfeitas, tantas famílias reconstruídas... Que diferença faz ter duas mães ou dois pais? O que importa realmente é tão superior a isso...

The Path of Sofia / The Path of Wisdom disse...

Tenho muitos amigos gays aqui que nao podem casar e deveria ser um direito para todos! Muito bem dito e concordo plenamente!

Margarida disse...

Não queres que eu venha para aqui vandalizar o teu blog, ou "destruir" os teus comentários, mas pões-te mesmo a jeito... *suspiro*

Anónimo disse...

Concordo em algumas das coisas que dizes, contudo discordo plenamente noutras... Iremos ter tema para um "bom" debate!! lol... Procura arranjar bons argumentos para me convenceres do contrário! lol

Mariana disse...

"A favor, claro!"... Nem é preciso dizer mais nada!

Beijos*

Anónimo disse...

Sou a favor, mas contra por exemplo isto www.panterasrosa.com!
Saudações.

Gustavo disse...

Brilhante post, meu amigo!

Reflectes EXACTAMENTE aquilo que eu penso...

Eu tb tenho andado em falta, mas vamos sempre a tempo de recuperar!

:)

Ana disse...

Eu digo SIM!

jf disse...

Sou perfeitamente a favor do casamento gay e penso que não "é cedo demais" para o casamento entre duas pessoas do mesmo sexo ser legal, mas tenho a certeza que a adopção ainda vai levar o seu tempo! Independentemente de eu ou qualquer um de nós concordar ou discordar, uma coisa é certa...a nossa mentalidade retrógrada ainda não está preparada para este segundo (grande) passo. Uma coisa de cada vez.
É uma opinião...

Gaga disse...

Parabens, adorei o teu texto.

Anónimo disse...

Panisguinhas!