Comer porque tem que ser

Isto pode ser pura ignorância, talvez esta solução até já exista. Mas não posso deixar de expor a minha ideia sobre a alimentação.

Sou uma daquelas pessoas que gostam de comer, ponto. Não de comer muito, mas de comer bem e de provar petiscos novos. Carrego uns quilos a mais, pois claro, porque há uns que comem como se não houvesse amanhã e ficam na mesma e há os outros como eu, que têm tendência a engordar se não tomarem as devidas precauções.

O problema podia ser esse. Mas nem é. Quer dizer, é parte do problema, mas há outra parte que está relacionada com o tempo que se perde por causa das refeições.

A verdade é que "perdemos" tempo a comer, e perdemos tempo a cozinhar. E a lavar a loiça, e a fazer compras na mercearia. O que eu acho é que não precisávamos de comer tantas vezes, pois frequentemente acabamos por comer mal por optarmos por algo mais rápido, mais imediato e (normalmente) menos saudável.

E eu pergunto: Se já há comprimidos para tudo e mais alguma coisa, águas que enchem metade do estômago, bolachas que reduzem o apetite, porque é que não poderia haver comprimidos que em vez dessas parvoíces fornecessem as refeições completas, como no caso das refeições dos astronautas? Porque é que não existe um comprimido que tenha X proteínas, Y hidratos e Z vitaminas, por exemplo?

Imaginemos: Se a dose diária recomendada para um adulto é X de cada componente, porque é que não há comprimidos com as componentes nas doses certas, cada um com meia dose diária?
Não, não se trata de deixar de comer porque isso seria parvo - até porque, como já disse, comer é um prazer. Mas grelhar febras e fazer arroz à noite em casa porque tenho fome é mais dever do que prazer! A ideia era cada comprimido ser o equivalente a uma refeição saudável (e não, também não me estou a referir a existirem comprimidos sabor "Arroz de Pato" ou "Bacalhau à Gomes de Sá") e se eu tivesse fome mas não me apetecesse, ao almoço, ir ao restaurante, ou cozinhar, tomava o comprimido. Que ainda por cima, como era equivalente a uma refeição saudável, não fazia mal nenhum. E tinha que saciar o estômago por umas horas, claro...

Basicamente, podia passar uma semana a comer apenas 3 ou 4 vezes, aquelas que valessem a pena (tipo uma ida às francesinhas, ou o franguinho da mamã) e o resto das refeições seriam asseguradas pelo comprimido. Eu acho isto genial - a gente não engordava e tinha muito mais tempo disponível.

Claro que a tendência é associar o termo comprimido a "medicação" ou "dependência", mas pronto... chamemos-lhe antes "refeição comprimida", que tal?

5 comentários:

Mariana disse...

LOL! Tu n bates bem, pah! Lembras-te de cada uma!! :D

Mas confesso q esses comprimidos me davam um jeitão às vezes :P

Piki disse...

Olá! eu até concordava se...esse suposto comprimido fosse tipo pastilha e permanecesse na nossa boca pelo menos 20 minutos, que é o tempo necessário para a nossa mente identificar que já não temos fome. E não tenho dúvidas que já existem comprimidos com as doses diárias de nutrientes que precisamos para que o nosso corpo funcione bem mas, o mecanismo da "fome" não funciona de modo a detectar que recebemos todos os nutrientes, ele entende que estamos com fome e depois que estamos saciados, não importa qual é o alimento, nós é que fazemos a escolha.
Confesso que às vezes até precisava de algo assim, super rápido, mas falta de tempo até para comer é falta de organização. Temos que encontrar tempo para tudo e se ele nos falta, compramos uns comprimidos de tempo também para compensar.
Grande abraço! leio sempre o seu blog.

Tinês disse...

Acho que o teu post se pode resumir assim: "Não me apetece cozinhar para mim todos os dias úteis da semana"!
O problema destes resumos é que assim não poderíamos deleitar-nos a ler as tuas frases inspiradas...
Porque não vais ao site da Vaqueiro e te inscreves num curso tipo "Receitas Rápidas" ou "O Meu Jantar em 11,5 minutos"?

Brejnev disse...

Deixa-te de merdas, compra uma Bimby pá!

um abc

Maria Joao Pedreira disse...

Ainda agora disse à Valentina que cozinhavas bem e que gostavas disso! Tás-me a trocar as voltas...