La Joue du Loup - O último dia e o regresso

Na véspera do último dia soltámos a língua e dissemos à mesa o que ela queria saber. Acabámos com o vinho sem grande dificuldade e desistimos definitivamente do UNO pois nunca conseguíamos acabar um jogo sem que alguém fizesse batota da grossa.

No último dia voltámos a atacar as vermelhas. Foi uma prova a sério, enfrentámos o medo e as dificuldades de frente e cheios de coragem. Isto até encontrarmos AQUELA vermelha. Aquela que era quase a pique e que fazia com que o coração quisesse saltar pela boca. Descemos, sim, embora alguns o fizessem meio em pé meio aos trambolhões, como foi o meu caso... Isto fez-me pensar melhor antes de atacar as tais pretas. Talvez seja melhor deixar estas para outra oportunidade...

No final do dia fizemos as malas para a viagem de volta. Com muita nostalgia pelo regresso, mas satisfeitos pela semana que tinha corrido mesmo muito bem, lá nos fizemos à estrada combatendo o sono e a conduzir por turnos. Ninguém dormiu grande coisa, à excepção de algumas pessoas que equipam de rosa e conseguem dormir 16 horas seguidas numa carrinha.

Claro que existiram momentos menos bons, mas o saldo foi muito positivo. Descobrimos que o Peixoto afinal canta; que a cultura angolana do Zé dá para abanar o capacete e cantarolar; que a Rita não dorme em viagens; que a Mariana sabe dizer Champanhe em francês ("Champônhe"); que o Orlando também dá malhos quando tenta saltar nas descidas. E que eu compreendo a linguagem das mesas.

Sim, já há saudades, por estranho que pareça. E um pequeno bichinho do vício a morder e a pedir mais... Para o ano, quem sabe? A vontade é grande...

Obrigado Canguru Perneta pela organização desta viagem espectacular!!!

2 comentários:

RRITA disse...

Reparaste no número da foto?

Orlando disse...

Pois é João!!!
Ainda bem que foi bom para ti...como foi para mim...lol...a mesa nunca mais vai ser a mesma!!!!
Espero poder repetir a viagem com todos!!!!!