O grego que me faz chorar

Há dias falei aqui de Roberto Carlos, como poderia ter falado de José Cid ou Tony Carreira. São cantores que eu respeito porque trazem consigo a voz do povo e cantam para o povo. Mas são uns meninos comparados com Demis Roussos, o maior do Mundo nesta área da música. O ancião grego tem uma emoção na voz que não deixa ninguém indiferente - quem não conhece "Goodbye my love goodbye?" - e faz chorar até as pedras da calçada naqueles ritmos mais lentos. Vejamos este belo exemplo:

Cá está. Se a ideia é chorar, isto é imbatível. Tenho para mim que nas novelas/séries/filmes em que é necessário que alguém chore colocam um auricular quase invisível no ouvido do actor com uma música de Demis Roussos. Desconfio até que há pessoas (assim de repente, estou-me a lembrar da minha irmã) que já nasceram com a cassete do cantor a tocar em "loop" nalgum canto recôndito da cabeça.

Mas Demis Roussos não é apenas o homem que põe a malta a chorar. É o único cantor do Mundo inteiro que consegue fazer, sozinho, duas vozes. E isto, meus amigos, marca a diferença. A prova está aqui:

Notem como a partir dos 0:35 Demis parte para um dueto individual que esmaga a vozinha de Petulia Clark, tal como o seu físico imponente havia feito com o dela desde o primeiro plano do vídeo.

Há dias no final de uma festa um qualquer DJ decidiu passar (vá-se lá saber porquê) uma destas baladas de Demis Roussos. Posso-vos só dizer que se já no dia-a-dia o homem me desarma, após dois ou três copos o resultado é uma verdadeira tragédia grega...

9 comentários:

The Path of Sofia / The Path of Wisdom disse...

I've never heard of this man until now. But I've had a Greek man make me cry before :)

13@ disse...

bem este comentário antes...wow:|... anyway, como referiste o Roberto Carlos toma: http://www.youtube.com/watch?v=OOwzZ2GHg44 Não sei se conheces esse concerto, passei o verão todo a ouvi-lo...essa música especialmente (pq será?=p)

Beijinho e saudades tuas e dos fanhosos dos teus irmãos

RRITA disse...

Pronto, é depois de coisas destas que me sinto, irreversivelmente, uma insensível.

Mas essas coisas dos gregos e das tragédias gregas fascinam-me.

Gustavo disse...

És grande, Joao...

Muito grande!!!

Tinês disse...

Mas não tão grande como o Demis Roussos!!

Varandas disse...

Eheheh... Acho que este é o artigo do blog que eu vou rever mais vezes. Este homem fascina-me!

LP disse...

Meu caro irmão, deixa-me dizer-te que este é, possivelmente, o teu melhor artigo até hoje. Primeiro, pelo enorme fenómeno da world music que aqui é abordado. O Demis é o ser mais próximo de um misto de Pavarotti e Aristóteles. É fortíssimo... e ser fortíssimo é uma faca de dois legumes, pelo que isso se confirma numa outra bela observação tua referente à proporção de tamanhos entre ele e a beldade feminina no dueto. Pode-se dizer que, aqui, Demis enche o ecrã... E, por fim, pela tua sublime chamada de atenção acerca da capacidade do homem para fazer duas vozes ao mesmo tempo. Desenganem-se aqueles que acreditam que isto das duas vozes não passa de uma montagem fatela... Saibam que Demis seria capaz de fazer até 4 vozes diferentes, ao mesmo tempo, sem tremelicar... Mas porquê exibir-se? Demis não precisa de exibicionismo. Demis é Demis. E como o Demis, não há Demis...

Mariana disse...

Lol.
Creio q toda a gente diz q é o teu melhor post pelo simples facto de falares de mim, q sou bem mais fixe q o Demis :)

Anyway... Apesar de nunca ter ouvido, acredito mesmo q tenha nascido com uma cassete (sim, pq qd nasci n havia cds :P) a dar tudo o q o homem consiga fazer, inclusivé cantar 2 (ou 4, pq o Demis pa mim exibe-se bastante!) vozes ao mesmo tempo.

Mas pronto, tenho-te a dizer q gostei bastante da 1a música.
Realmente o homem é bom!

Beijo*

MJ disse...

É Petula, não Petulia... lol
No meu tempo ele era asssim um José Cid - com músicas de bastante qualidade p'ra época mas que nós considerávamos 'pirosos' porque ... enfim, porque não eram os Beatles! Que queres?? Agora também acho que nos tornávamos limitadados por não sermos capazes de ouvir e apreciar outros, mas naqueles tempos era assim.... Hélas!