Wicked

Desta vez tinha mesmo que ir ao teatro. Ir a Londres e não ir ao teatro é como ir às Caldas e não comprar um... bem, vocês sabem. A oferta era imensa: O Fantasma da Ópera, Billy Elliot, Mamma Mia, Hairspray, Rei Leão, etc, etc... Estava mesmo complicado escolher apenas um. Dado que já tínhamos visto no cinema os que referi, decidimos optar por um que não conhecíamos mesmo e que tem sido nos últimos meses o espectáculo mais visto na cidade: Wicked, a história nunca antes contada dos feiticeiros de Oz antes da chegada da bela Dorothy dos sapatinhos vermelhos. Relata a caricata e difícil amizade entre Elphaba, “the wicked witch of the west” e de Glinda, “the good witch of the north” num argumento que inclui várias referências ao nosso bem conhecido Feiticeiro de Oz.
Apesar da fama de que gozam os musicais da broadway e da qualidade sobejamente reconhecida das companhias de teatro de Londres, um bilhete de cerca de 30 euros para um espectáculo de duas horas e meia faz desconfiar qualquer um. Mas a verdade é que valeu mesmo a pena. Tudo. O teatro é imenso e espectacular, o som é óptimo e o argumento da peça é extremamente original e divertido, sendo o talento (tanto, tanto talento...!) dos actores/cantores a cereja no topo do bolo. Ficamos mesmo enfeitiçados e as duas horas e meia passam como se fossem 15, 20 minutos.
Não sou um especialista de teatro, confesso aliás que se contam pelos dedos de uma mão as vezes que lá fui, mas saí do Apollo Theatre com a sensação de que tínhamos acabado de presenciar algo de muito, muito especial...

2 comentários:

Mariana disse...

Sem dúvida um dos melhores espectáculos q já vi. Aquela gente a cantar até irrita... Fiquei fascinada... e eu ultimamente até tenho ido ao teatro várias vezes aqui. Mas este foi especial!
Muito bom mesmo!

Beijo*

M. João disse...

pois, imagino! Ainda hoje me lembro do que senti quando vi o Jesus Christ Superstar back in the 70s.
São momentos que consolam mesmo.Lucky you...